*Meu saudoso KIMBA


***** T A G S *****
-são temas do blog-
(clique em cima)

* 00-kimba-adormecer

* 00-monty-adormecer

* 01-diversos

* 03-eles são assim

* 04-fotografias

* 05-histórias de perdas

* 07-amado gato

* 07-perdas-homenagens

* 09-se eu falasse

* 10-poemas-outros

* 11-crónicas-outros

* 12-crónicas-laura

* 12-natal

* 12-poemas-kimba

* 12-poemas-laura

* todas as tags

*posts recentes

* Hannynha - poodle

* Jolly da Vanilma - 28/04/...

* Bobinhos

* Shirra

* Raça gigante - 2

* ANASTÁCIA - passou para o...

* Como cuidar de cães idoso...

* Natal de imensa saudade- ...

* Há donos e DONOS AMIGOS!

* Deus átomo

* Rufus e Domi da Mar Teres...

* REX - Meu fiel companheir...

* Como abraçar um bebé:

* A perda de um companheiro

* A dor da perda!

*arquivos

*últ. comentários

Obrigada, Vanilma. Eles deixam-nos desoladas quand...
Lindo o que escreveu :(
Vanilma, só agora vi a sua mensagem, amiga.No iníc...
Acabei de perder a minha poodle de 15 anos e estou...
Como eu a compreendo amiga Laura,eles sim são os n...
Obrigada pelo seu comentário. Gostarei de o ver no...
As vezes porreirinhos de mais! Também convivemos c...
Van, o seu Carlinhos já está no meu blog. Já viu?L...

*mais comentados

*Aos visitantes:

Destinei este blog aos animais que já não estão mais comigo ou neste mundo,

e aos amigos com animais também já adormecidos que, roídos pela saudade,

ainda escrevem sobre eles.
Vamos homenageá-los?

Fale comigo - (clique na caixa do correio)

laurabmartins.blogs.hotmail.com
»»»»»»»»»»»»»» | ««««««««««««««

Sábado, 25 de Julho de 2009

Adeus, Max!

Adeus, meu querido amigo e companheiro, descansa em paz.

Diasfelizes_3fotos.JPGEra uma vez um cão que esteve durante muito tempo amarrado, com grossa corrente e apertada coleira, na porta de uma oficina no concelho de Sintra.

O Max, de seu nome, certamente nunca compreendeu qual o motivo pelo qual o seu primeiro dono, frequentador activo da alta sociedade cultural deste país, o deu aquela pessoa que o viria a atar a um portão. Ele que nem a ele próprio se sabia guardar! Seria porque arranjara outro cão? Ter-se-ia casado com alguém que também tinha cães e portanto ele tornava-se “não grato”? Nunca soube certamente esse porquê pois, o amor que veio a ter a partir do Outono de 1996 (tinha ele quatro anos), quando veio para a minha casa, fê-lo esquecer esses maus tempos da sua infância.
Como veio parar a minha casa ainda é para mim um mistério pois apenas sei que a minha filha, então com 19 anos, pressionou de tal forma o dono da dita oficina que ele, para não ter chatices foi-lhe entregar o cão a casa.
Nunca nos foi dito o nome original do Max mas isso também nunca nos importou.
Ainda estou a ver a cena dessa primeira noite: Eu trabalhava em turnos nocturnos e, quando cheguei a casa, estava o Max sentado em frente do sofá onde a minha mulher diariamente ficava à minha espera. Olhavam-se entre si, cada um com mais medo do outro!
O Max, belo cão de água português, cuja veracidade e total pureza foi confirmada pelo Clube Português de Canicultura posteriormente (note-se que o anterior dono se recusou a transmitir-nos a caderneta das vacinas e qualquer documento, tudo foi verbal) mais parecia um urso quando chegou às nossas mãos, pelo comprido e não tratado, queimado pelo sol, sujo, a tal coleira humilhante, etc.
Depois disso...…
Viveu connosco treze anos e tal, muito feliz, sei disso, amado por toda a minha família, extraordinariamente amigo e companheiro.
Saia à rua e era amigo de todos que também gostavam dele, especialmente pela docilidade. Ultimamente era usuais as pessoas, especialmente crianças, dizerem quando ele passava: Olha!!! É igual ao cão do Obama!!!
Invariavelmente eu respondia: Não. O cão do Obama é que é igual ao Max.
Começou a sofrer de diabetes aos onze anos, sendo desde então obrigado a tomar duas injecções (50ml cada) diariamente. Cegou completamente mas continuou a ter qualidade de vida pois o amor mútuo transmitido ultrapassou esta vicissitude.
Quando íamos de férias era passageiro privilegiado no carro (que se atapetava majestosamente para ele ir confortável) e sempre nos fez companhia nas deslocações que fazíamos.
Exagerámos? Há quem diga que sim. Eu apenas respondo que se pudesse voltar atrás faria precisamente o mesmo: Ficava com ele e daria o mesmo ou mais carinho que lhe dei (demos) durante a vida que passou connosco.
Infelizmente surgiu a malvado tumor na boca que foi o princípio do fim do meu querido amigo e companheiro. Coitadinho deixou de conseguir comer, entristeceu, só queria estar deitado e até os passeios em que ele vaidosamente se gostava de mostrar lhe começaram a ser penosos.
A veterinária (agradeço o empenho, profissionalismo, interesse e competência que encontrei na Clínica Veterinária do Lourel - Sintra) tudo tentou mas era impossível. Não reagia aos antibióticos e outros medicamentos. Estava a sofrer o meu querido Max.
Naquela manhã de 24 de Agosto levei-o à clínica. Ninguém me disse nada quando eu saí de casa e agarrei as chaves do carro. Todos sabiam que o momento que ninguém queria mas era necessário chegara. Quando chegou ao veterinário (dizem-me que eu sugestionei-me) ficou nervoso e só passeava de um lado para o outro como a pressentir que algo não iria ser bom para ele. Será que era isso ou estava a agradecer e pedir para lhe acabarem com o sofrimento? Nunca o saberei.
Às onze da manhã tomou a primeira injecção com o soro e a veterinária retirou-se para me deixar despedir do meu querido amigo.
Despedi-me e ele ainda teve forças para me lamber as mãos enquanto eu o abraçava e lhe dava um beijo de despedida.
A veterinária voltou e em silencio acabou de adormecer o meu amigo.
Senti-me triste, incrivelmente triste, com uma dor profunda na alma
Como um autómato apenas consegui dizer quando tudo ficou acabado e muito emocionado tive de sair da sala:

- Adeus velho e querido amigo, descansa em paz.

O Max foi cremado mas o nosso amor por ele nunca se apagará.
-------------------------------
Mário Manuel Barros

NOTA:

Estas histórias pungentes dos dramas vividos por quem se apaixona pelos animais, são realmente enternecedoras.
E eu que o diga, quando choro pelo meu amado Kimba!
----------------------------
Laura B. Martins
**** T A G S *****
-são temas do blog-
(clique em cima):

publicado por LauraBM às 23:27

link do post | E custa, comentar aqui?

2 comentários:
De Cor bege a 11 de Novembro de 2009 às 19:18
Passei neste blog por acaso... mas gostei muito de ler. Fiquei muito sensibilizada e senti-me acarinhada pelas histórias reais de outras pessoas que, como eu, amam os seus animais de estimação. Esse amor será sempre incondicional.

Boa sorte com o site :)
Felicidades para todos.

Cor bege


De Josenilton a 18 de Outubro de 2009 às 14:24
Gostei do blog. Parabéns!


Comentar post

*mais sobre mim

*espreitar no blog

 

*subscrever feeds

*favorito

* 10 blogs para conhecer no...

* Sua presença basta

* Poema - Mais vale guardar...

*links

*Banners

Uma vela por ti

meu amado cão!

*Google-A minha página

Encontre-nos no Google+